Alterações dos procedimentos para solicitação de Projetos de Arquitetura e Engenharia para Novas Edificações, Ampliações e Reformas na UFSC

11/10/2019 10:32

O Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia informa sobre a mudança de procedimentos para solicitação de Elaboração de Projetos de Arquitetura e Engenharia para Novas Edificações, Ampliações e Reformas no âmbito da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC .

As instruções relativas aos novos procedimentos constam na IN 01/2019/SEOMA disponível no site do DPAE no menu “Instruções”, seção “Como solicitar a elaboração de um Projeto?” e foram divulgadas via Correspondência OF C 5/DPAE/SEOMA/2019 no SPA.

Tal mudança tem por objetivo atingir melhores resultados na Elaboração de Projetos, principal processo de nosso Departamento, através da transparência, integração e com o adequado direcionamento de esforços e recursos.

A partir do dia 10 de outubro de 2019, as solicitações que chegarem ao DPAE sem seguir as instruções informadas serão devolvidas, para que sejam realizadas conforme a nova metodologia. Por fim, salientamos que todas as solicitações que não estejam com projetos em elaboração no DPAE serão devolvidas às Unidades para reavaliação, planejamento interno e demais encaminhamentos seguindo o disposto na IN 01/2019/SEOMA.

A IN é válida a partir de sua publicação no Boletim Oficial da UFSC de 09 de outubro de 2019.

Mais informações poderão ser obtidas pelo e-mail dpae@contato.ufsc.br ou pelo ramal 6030.

Nova parceria entre GTSIG e SEOMA trará mapeamento da rede de drenagem do Campus Trindade

03/10/2019 17:54

Atualmente a rede de coleta de drenagem de águas pluviais do campus trindade é a rede sobre a qual menos possuímos informações cadastrais (por onde passam as redes, diâmetros das tubulações, etc.) seja pela inexistência de registros institucionais seja por escassos estudos e levantamentos feitos sobre o tema. Com o intuito de ampliar o banco de dados de informações cadastrais do Campus Trindade da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC a Secretaria de Obras, Manutenção e Ambiente – SEOMA e o Grupo de Trabalho de Informações Geográficas – GTSIG firmaram nova parceria para o mapeamento do sistema de drenagem do Campus.

Plano Geral de Drenagem – Diagnostico Geral
Fonte: INCEPI (1997)

 Plano Diretor de Drenagem – Levantamento Rede Drenagem UFSC
Fonte: Pompêo (2000)

A inexistência destas informações 1) onera obras uma vez que não é possível quantificar previamente deslocamentos de tais redes subterrâneas que por vezes se fazem necessárias, 2) dificulta a elaboração de projetos visto que cálculos de vazões estão diretamente associados aos diâmetros das tubulações e 3) ocasiona trabalhos extras ou com cronogramas estendidos para “procurar” as ligações das edificações na rede.

Atividades importantes e que atualmente estão em pauta na Universidade como a elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas – PRAD serão diretamente beneficiadas com os levantamentos e produtos a serem gerados pelo GTSIG nesta parceria.

O GTSIG é um grupo de trabalho do Departamento de Engenharia Civil da UFSC criado em 2012 que possui suas atividades voltadas ao espaço físico da própria UFSC onde os produtos elaborados nos projetos já realizados de mapeamento das redes de lógica e elétrica média tensão já são utilizados amplamente em nossas atividades de planejamento e projeto aqui no DPAE.

Os levantamentos da rede de drenagem foram iniciados este mês e serão Coordenados no DPAE pelo Eng° Civil Luiz Henrique Guesser.

Fonte: GTSIG (2019)

 

Abertura RDC 003/2019 – Construção – Etapa 2 do Centro de Ciências, Tecnologia e Saúde – CTS03, dos cursos de Medicina e Fisioterapia – Campus Araranguá

28/08/2019 15:51

Aberto o processo licitatório para contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, para fornecimento de material e mão de obra destinados à Construção – Etapa 2 do Centro de Ciências, Tecnologia e Saúde – CTS03, dos cursos de Medicina e Fisioterapia, situado na área Sede do Campus de Araranguá da Universidade Federal de Santa Catarina (área = 6.334,17m²).

CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto

FORMA: Eletrônica

MODO DE DISPUTA: Combinado (Fechado/Aberto)

REGIME: Empreitada por Preço Global

SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 18/09/2019
HORÁRIO 08:30 (HORÁRIO DE BRASÍLIA)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasdovernamentais.gov.br

Maiores informações: visite o site

Imagem ilustrativa CTS03

DPAE disponibiliza página para consulta sobre dados de energia elétrica da UFSC

08/08/2019 15:02

Visando difundir as informações à toda Comunidade Universitária sobre dados de Energia Elétrica de todos os Campi e Unidades da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, com informações históricas do período de 2013 – 2019, o DPAE disponibiliza a partir da presente data, no MENU ‘Publicações‘ do seu site, a página MONITORAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA  contendo informações sobre consumo, gastos e demanda de energia das diversas Unidades Consumidoras (UCs) existentes. Os dados disponibilizados serão atualizados de forma corrente e podem ser acessados por toda Comunidade Universitária. Além disso também serão publicados, periodicamente, Relatórios de Acompanhamento do Contrato e outras informações pertinentes ao tema.

As informações podem ser consultadas a partir da seleção de dados da Unidade Consumidora de interesse. Caso você não saiba qual Unidade Consumidora do seu local dentro da planilha será possível acessar o Mapa Cadastral das Faturas da UFSC e identificar a UC respectiva.

Veja abaixo exemplo de possíveis resultados de consultas aos dados e simule você também acessando http://dpae.seoma.ufsc.br/monitoramento-energia/

Figura 1 – Consulta Evolução dos dados ao longo dos anos – Consumo – UFSC

Figura 2 – Consulta Dados do ano 2018 – UC Cidade Universitária –  comparativo da UC com dados da Região Florianópolis Sede

Figura 4 – Consulta Evolução dos dados ao longo dos anos – Gastos – UFSC Curitibanos

COPLAN apresenta estudos de planejamento para implantação da Clínica Veterinária Escola – CVE em Curitibanos

17/07/2019 13:42

Na última semana foram apresentados os estudos de planejamento elaborados pela Coordenadoria de Planejamento do Espaço Físico – COPLAN do DPAE para implantação dos setores de Clínica Médica Grandes Animais, Clínica Cirúrgica de Grandes Animais e Patologia e Anatomia, os quais irão compor a Clínica Veterinária Escola – CVE.

Desde sua criação, o Curso de Graduação em Medicina Veterinária do Campus UFSC Curitibanos tem como demanda a implantação de infraestrutura que permita o processo pleno de ensino-aprendizagem aos alunos. A estrutura física que garantirá o ensino aplicado ao curso trata da Clínica Veterinária Escola que consiste num Complexo composto por diversos setores e edificações que possibilitarão procedimentos clínicos e laboratoriais em pequenos e grandes animais.

Figura 1 – Zoneamento do Complexo

Fonte: COPLAN/DPAE, 2019

A Viabilidade Técnica apresentada tratou especificamente dos setores de Grandes Animais, Patologia e Anatomia os quais totalizarão uma área construída estimada em 2.200m2 divididos entre os setores. Dentro do complexo, é prevista ainda área de 430m2 para piquetes.

Quadro 1 – Áreas

Setor

Área construída estimada
CLÍNICA MÉDICA DE GRANDES ANIMAIS 1.016,40 m²
CLÍNICA CIRÚRGICA DE GRANDES ANIMAIS 741,00 m²
SETOR DE PATOLOGIA E ANATOMIA

460,00 m²

Fonte: COPLAN/DPAE, 2019

Os estudos contemplam avaliações urbanísticas e de infraestrutura que trazem diretrizes técnicas para a construção da Clínica Veterinária Escola. São apresentados, além do local de implantação, índices como afastamentos, recuos e gabaritos; definições para circulação adequada de pedestres, ciclistas e veículos motorizados; acessos de caminhões para descarga dos animais; estacionamentos; restrições ambientais e diretrizes para implantação das diversas infraestruturas associadas como água, esgoto, energia elétrica, lógica e incêndio*.

Nesta viabilidade, especificamente, foram avaliadas ainda questões relacionadas aos efluentes de origem animal e às alternativas para seu tratamento, as quais indicaram a utilização da compostagem como solução mais viável do ponto de vista técnico-operacional. Além do tratamento dos dejetos animais, é prevista a utilização de compostagem também no processo de estabilização de cadáveres e carcaças de animais.

Figura 1 – Estudo de Fluxos Grandes Animais, Patologia e Anatomia

Fonte: COPLAN/DPAE, 2019

*Saiba mais sobre Estudos de Viabilidade elaborados pelo DPAE clicando aqui

New Technologies in Mapping and Planning: Drones and GIS – 2nd Edition

04/07/2019 11:12

The Department of Architecture and Engineering Projects  – DPAE  of the Federal University of Santa Catarina – UFSC, through the Extension School, is offering the second edition of the course New Technologies in Mapping and Planning: Drones and GIS at the University Campus in Curitibanos. The course will be held from 22th to 26th July  2019.
The course aims to teach the drones’ potentialities in the urban cadastre survey and the use of the geographic information system in urban planning with examples of the applicability on the Campus planning. Theoretical and practical classes will be taught at Campus Curitibanos facilities. As a result the student is expected to have notions of how to make photogrammetric products (orthophotomosaic, digital surface model, three-dimensional model) through the use of sensors embedded in drones and how to produce a geographic information system.

O Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia – DPAE, através da Escola da Extensão, ministrará a segunda edição do curso Novas Tecnologias de mapeamento e planejamento: Drones e SIG no Campus da UFSC em Curitibanos a ser realizado entre os dias 22 e 26 de julho de 2019, em inglês.
O curso tem como objetivo ensinar as potencialidades dos drones no mapeamento urbano e o uso do sistema de informações geográficas no planejamento do Campus da UFSC. As aulas teóricas e práticas serão ministradas nas instalações do Campus Sede de Curitibanos. Como resultado, espera-se que o aluno tenha noções de como elaborar produtos fotogramétricos através do uso de sensores embutidos em drones e como produzir um sistema de informação geográfica.

Further information/ Saiba mais: http://dpae.seoma.ufsc.br/new-technologies-in-mapping-and-planning-drones-and-gis/
Registration/ Inscrições: http://inscricoes.ufsc.br/dpae-ws2019
Contact/ Contato: guilherme.zucatelli@ufsc.br

We invite everyone to participate!!//Convidamos todos a participarem!!!!

DPAE divulga relatório sobre a energia elétrica na UFSC em 2018

03/05/2019 11:59

Já estão disponíveis as informações sobre energia elétrica na Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC de 2018. Com dados de consumo, custo, demanda e área de abrangência, o relatório oferece um panorama geral sobre os dados de cada uma das 83 unidades consumidoras da UFSC.

O relatório e o mapa associado foram produzidos pela Coordenadoria de Planejamento do Espaço Físico – COPLAN do Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia – DPAE. O acompanhamento dos contratos de energia elétrica faz parte das atribuições da COPLAN.

Assim, elaborou-se o relatório que facilita a gestão destes contratos e também proporciona conhecimento aos usuários sobre o uso local destes recursos, podendo todos os Campi perceber sua representatividade em comparação ao total da instituição.

Relatório completo pode ser acessado em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/195680

Mapa atualizado das faturas de energia elétrica disponível em: http://dpae.seoma.ufsc.br/mapas

DPAE disponibiliza relatórios com resultados das pesquisas sobre bicicletas e proposições de cicloinclusão na UFSC

15/04/2019 08:00

Você já deve estar percebendo a mudança. A UFSC começa a dar os primeiros passos da cicloinclusão no Campus Trindade.
Novos bicicletários no Restaurante Universitário – RU, na Biblioteca Central – BU e nas novas edificações do Centro de Ciências Biológicas – CCB.
Passeio compartilhado, iluminação dedicada e sinalização no trecho entre BU e RU.

Estas novas infraestruturas direcionadas ao modal bicicleta são resultado de diretrizes constantes em dois estudos elaborados pelo Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia – DPAE. Os estudos, concluídos em 2018, e recém-disponibilizados, trazem propostas para melhorias da infraestrutura de circulação e estacionamentos de bicicletas no Campus Trindade, e foram realizados a partir de diagnósticos e levantamentos que incluem informações coletadas junto aos usuários de bicicletas do campus ao longo dos anos de 2016 e 2017 nas pesquisas “Vai de bike pra UFSC?” e “Por onde andas de bike na UFSC?“.

Saiba os resultados das pesquisas e tenha acesso os relatórios completos clicando nos ícones a seguir.

CICLOINCLUSÃO


Relatório Técnico 007/2017/COPLAN/DPAE/SEOMA/UFSC
 

BICICLETÁRIOS


Relatório Técnico 008/2017/COPLAN/DPAE/SEOMA/UFSC

Aviso Falta de Energia – Campus Trindade – 13/04/2019

12/04/2019 13:57

AVISO: Entre às 13h e 17h de sábado, no dia 13 de abril, a energia elétrica terá seu fornecimento interrompido pela concessionária CELESC na região do campus Trindade (mapa da área afetada aqui: http://bit.ly/ufsc13042019).

O desligamento ocorre para a realização de melhorias na rede de distribuição e se alerta que, por segurança, a rede elétrica deve ser considerada como energizada, uma vez que o desligamento pode ser cancelado por problemas técnicos ou condições atmosféricas desfavoráveis.
Em caso de dúvidas: ramal 6030

COPLAN apresenta estudos de planejamento para implantação de nova edificação na área do Setor 04 – Desportivo

25/03/2019 17:49

Na última quarta-feira (20/03) foram apresentados os estudos de planejamento elaborados pela Coordenadoria de Planejamento do Espaço Físico – COPLAN do DPAE para implantação de nova  edificação no Setor Desportivo do Campus Trindade da UFSC.

A edificação referente ao Centro de Pesquisa Multiusuário em Exercício, Saúde e Desempenho Esportivo – CEPEME tem área estimada de 1400m2 e será utilizada para o desenvolvimento de pesquisa básica e aplicada na área do esporte de alto rendimento, com maior aprofundamento em relação a efeitos e/ou mecanismos psicobiológicos dos exercícios físicos e seus impactos para a sociedade brasileira, sobretudo, na área da saúde, da reabilitação e do rendimento esportivo.

Os estudos contemplam avaliações urbanísticas e de infraestrutura que trazem diretrizes técnicas para a construção da nova edificação. São apresentados itens como local de implantação; índices como afastamentos, recuos e gabaritos; definições para circulação adequada de pedestres, ciclistas e veículos motorizados; acessos de veículos de emergência; estacionamentos; restrições ambientais e diretrizes para implantação das diversas infraestruturas associadas como água, esgoto, energia elétrica, lógica e incêndio.*

Foram avaliadas ainda questões como o impacto das obras de ampliação da Edu Vieira sobre o local, a área de preservação permanente existente, questões de permeabilidade do solo e adequações no sistema de armazenamento de resíduos do setor.

Clique nas imagens a seguir e veja simulações da urbanização proposta para a área.

*Saiba mais sobre Estudos de Viabilidade elaborados pelo DPAE clicando aqui

Curso Excel para Engenharia – inscrições abertas

19/03/2019 09:52

Estão abertas até 14/04/2019 as inscrições para o curso ‘Excel para Engenharia‘ a ser ministrado pelo nosso colega Eng° Civil Denis Bertazzo Watashi* no período de 22/04/2019 a 17/05/2019 via Coordenadoria de Capacitação de Pessoas – CCP da UFSC.

O Curso é direcionado aos servidores integrantes do corpo técnico da Secretaria de Obras, Manutenção e ambiente – SEOMA, mas serão analisadas participações de técnicos de outros setores associados às atividades administrativas da Universidade.

Ementa:

  • Componentes do Excel e técnicas para estruturar uma base de dados compatível com os recursos deste software.
  • Fórmulas e operadores, funções da biblioteca do Excel.
  • Auditoria de planilhas, Solver, resolução de sistemas de equações lineares e problemas de otimização.
  • Formatação condicional, proteção da planilha, regras de validação de dados, Macros e Dashboards.

Maiores informações: http://sgca.sistemas.ufsc.br/publico/programacaoAtual.xhtml

—-
*Denis é Engenheiro Civil, com mestrado na área de Geotecnia. Atuou como engenheiro projetista em empresas de infraestruturas de transportes. Na UFSC fez parte da equipe da Coordenadoria de Projetos – COPAE/DPAE elaborando projetos de estruturas e fundações. Atualmente é Chefe do Setor de Orçamentos de Obras – SOO/DPAE.

Summer Course – New Technologies in Mapping and Planning: Drones and GIS

07/12/2018 10:16

The Department of Architecture and Engineering Projects  – DPAE  of the Federal University of Santa Catarina – UFSC, through the Extension School, is offering the course New Technologies in Mapping and Planning: Drones and GIS at the University Campus in Florianópolis. The course will be held from 18th to 22th February 2018.
The course aims to teach the drones’ potentialities in the urban cadastre survey and the use of the geographic information system in urban planning with examples of the applicability on the Campus planning. Theoretical and practical classes will be taught at Campus Trindade facilities. As a result the student is expected to have notions of how to make photogrammetric products (orthophotomosaic, digital surface model, three-dimensional model) through the use of sensors embedded in drones and how to produce a geographic information system.

O Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia – DPAE, através da Escola da Extensão, ministrará o curso Novas Tecnologias de mapeamento e planejamento: Drones e SIG no Campus da UFSC em Florianópolis a ser realizado entre os dias 18 e 22 de fevereiro de 2018, em inglês.
O curso tem como objetivo ensinar as potencialidades dos drones no mapeamento urbano e o uso do sistema de informações geográficas no planejamento do Campus da UFSC. As aulas teóricas e práticas serão ministradas nas instalações do Campus Trindade. Como resultado, espera-se que o aluno tenha noções de como elaborar produtos fotogramétricos através do uso de sensores embutidos em drones e como produzir um sistema de informação geográfica.

Further information/ Saiba mais: http://dpae.seoma.ufsc.br/new-technologies-in-mapping-and-…/
Registration/ Inscrições: http://inscricoes.ufsc.br/dpae-iss
Contact/ Contato: guilherme.zucatelli@ufsc.br

We invite everyone to participate!!//Convidamos todos a participarem!!!!

Horário de Verão Matutino na UFSC – Economia estimada – Relatório de análise 2017/2018

03/12/2018 09:37

Pelo terceiro ano consecutivo, trabalhar pela manhã durante o verão da UFSC mostrou-se mais econômico do que trabalhar no período vespertino – no que tange à energia elétrica, ao menos.

Conforme Relatório Técnico 007/2018/COPLAN/DPAE/SEOMA/UFSC, a economia estimada da adoção do horário de verão matutino (das 07:30h às 13:30h) no verão de 2017/2018 ultrapassa os 136 mil reais (7,54% ) em comparação com o mesmo período de dias de 2014/2015 (ano onde pela última vez adotou-se o horário de verão vespertino – de segunda a quinta-feira das 13:00h às 19:00h e na sexta das 07:00h às 13:00h).

A adoção do horário de verão matutino vem sendo feita desde o verão de 2015/2016 e esta prática mostrou-se benéfica mais uma vez.

Os valores foram obtidos pelo DPAE a partir das medições disponíveis do sistema de telemetria da CELESC, levando-se em conta as unidades consumidoras: 12187378, 12187491, 20015020, 30457455, 42103322 e 51253078 (as quais representam 70,25% do custo da UFSC com energia elétrica).

A portaria n°153/2018/GR que dispõe sobre o horário de verão em 2018/2019 já foi publicada e estabelece o período entre os dias 11/12/2018 e 15/02/2019 e o horário das 07:30 as 13:30. A

O Mapa com todas as faturas de energia elétrica da UFSC pode ser acessado clicando aqui.

Abertura RDC 010/2018 – Reforma e adequação de sanitários e salas de professores do Departamento de Engenharia Civil – CTC

13/11/2018 16:42

Aberto o processo licitatório para contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, para fornecimento de material e mão de obra destinados à obra de reforma e adequação de sanitários e salas de professores localizados no prédio do Departamento de Engenharia Civil do Centro Tecnológico, no Campus Reitor João David Ferreira Lima da Universidade Federal de Santa Catarina (área=688,50m²).

CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto

FORMA: Eletrônica

MODO DE DISPUTA: Combinado (Fechado/Aberto)

REGIME: Empreitada por Preço Global

SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 13/12/2018
HORÁRIO 08:15 (HORÁRIO DE BRASÍLIA)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasnet.gov.br

Maiores informações: visite o site

Abertura RDC 009/2018 – Interligação elétrica de grupo motor gerador de emergência do Centro de Ciências da Saúde – CCS

13/11/2018 16:38

Aberto o processo licitatório para contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, para fornecimento de material e mão de obra destinados à interligação elétrica de grupo motor gerador de emergência com potência instalada de 140/128 kVA, existente, com adaptação da entrada de energia do Bloco H e instalação de rede protegida nos Blocos H, J e K do Centro de Ciências da Saúde – CCS no Campus Reitor João David Ferreira Lima da Universidade Federal de Santa Catarina.

CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto

FORMA: Eletrônica

MODO DE DISPUTA: Combinado (Fechado/Aberto)

REGIME: Empreitada por Preço Global

SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 10/12/2018
HORÁRIO 08:15 (HORÁRIO DE BRASÍLIA)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasnet.gov.br

Maiores informações: visite o site

Abertura RDC 008/2018 – Fornecimento e instalação de elevador no prédio da Engª Sanitária – CTC

12/11/2018 14:46

Aberto o processo licitatório para contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, para fornecimento de material e mão de obra destinados ao fornecimento e instalação de elevador para passageiros no bloco de ligação do prédio do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental do Centro Tecnológico – CTC existente no Campus Reitor João David Ferreira Lima da Universidade Federal de Santa Catarina (área = 50,00 m²).

CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto

FORMA: Eletrônica

MODO DE DISPUTA: Combinado (Fechado/Aberto)

REGIME: Empreitada por Preço Global

SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 06/12/2018
HORÁRIO 08:15 (HORÁRIO DE BRASÍLIA)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasnet.gov.br

Maiores informações: visite o site

Abertura RDC 007/2018 – Reforma e requalificação da Igrejinha da UFSC

08/11/2018 18:31

Aberto o processo licitatório para contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, para fornecimento de material e mão de obra destinados à obra de reforma e requalificação da edificação DAC01, conhecida como Igrejinha da UFSC, no Campus Reitor João David Ferreira Lima da Universidade Federal de Santa Catarina.

CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto

FORMA: Eletrônica

MODO DE DISPUTA: Combinado (Fechado/Aberto)

REGIME: Empreitada por Preço Global

SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 03/12/2018
HORÁRIO 08:15 (HORÁRIO DE BRASÍLIA)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasnet.gov.br

 

Maiores informações: visite o site

DPAE ministra conteúdo em curso de sustentabilidade para administradores de edifícios

05/11/2018 18:37

Em parceria com o Departamento de Manutenção Predial e de Infraestrutura- DMPI, Coordenadoria de Gestão Ambiental – CGA e professores do Centro de Ciências Biológicas – CCB, dos dias 2 a 25 de outubro o DPAE ministrou o curso “Sustentabilidade para administradores de edifícios” com o objetivo de capacitar os administradores de edifícios da Universidade sobre as temáticas sustentáveis no âmbito da UFSC e na manutenção adequada dos elementos instalados na edificação.

Durante o curso abordaram-se temas como consumo consciente, geração e destinação correta dos resíduos, plano de ações contra o Aedes Egypti, acessibilidade, prevenção contra incêndio, economia de energia e manutenção da parte elétrica, economia de água e manutenção de componentes hidráulicos e sanitários, animais e áreas verdes. Os participantes, incluindo administradores de edifícios de outros campi, puderam trazer situações reais do dia a dia nas edificações em que trabalham, questionando alguns procedimentos de manutenção.

O DPAE ficou responsável pelos temas de acessibilidade e prevenção contra incêndio. A Arqª Fabrícia de Oliveira Grando falou sobre o conceito de acessibilidade universal, conscientizando os presentes sobre o motivo de criar e manter áreas acessíveis às necessidades de todas as pessoas. Foram apresentados aspectos da NBR 9050 como larguras corredores e portas, alturas de bancadas e bebedouros, inclinações de rampas, pisos táteis dentre vários outros elementos arquitetônicos. A Engª Civil Sabrina Kalise Heinen falou sobre prevenção contra incêndio, explicando o que é, para que serve, e indicando a manutenção adequada de cada sistema de prevenção implantado, tais como extintores, iluminação de emergência, alarme, dentre outros.

Confira nossa apresentação neste curso e materiais de outros cursos já ministrados por técnicos de nossa equipe em  http://dpae.seoma.ufsc.br/cursos/ ‎

Conheça o anteprojeto do Trecho 2 do Projeto Rotas Acessíveis – 1ª infraestrutura dedicada para circulação de bicicletas no Campus Trindade

19/10/2018 09:12

Ocorreu na última terça-feira 16/10/2018 a apresentação pública do Anteprojeto referente à nova infraestrutura de circulação de bicicletas no Campus, vinculada às soluções propostas no Trecho 02 do Projeto Rotas Acessíveis da R. Roberto Sampaio Gonzaga entre o acesso ao Campus pela R. Lauro Linhares e a Praça da Cidadania.

Participaram do evento alunas da Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL, Equipe do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis – IPUF e representantes da Associação Mobilidade por Bicicleta e Modos Sustentáveis – AMOBICI e organização comunitária Fórum da Bacia do Itacorubi.

Na ocasião foi apresentada uma síntese do estudo intitulado “Rede Cicloviária da UFSC – Campus Trindade – Considerações Técnicas e Diretrizes Estratégicas” o qual originou as diretrizes para o início da cicloinclusão no Campus as quais foram refletidas no Trecho 02 do Projeto. Confira a apresentação clicando aqui.

Após, foram explanadas as definições de planejamento que embasaram as soluções técnicas do Projeto Rotas Acessíveis, as primeiras percepções da implantação do Trecho 01 (entre Biblioteca Central e Restaurante Universitário) do Projeto Piloto e finalmente foi apresentado o Anteprojeto Arquitetônico do Trecho 02. Confira a apresentação do Projeto Rotas Acessíveis clicando aqui e caso possua considerações sobre o Trecho 02 encaminhe um e-mail para coplan@contato.ufsc.br.

Equipe DPAE tem artigo apresentado em Conferência Internacional de Bogotá

17/10/2018 17:02

Em setembro deste ano, o DPAE marcou presença na Conferência Internacional PBL for Sustainable Cities realizada entre os dias 19/09/2018 e 21/09/2018 na Universidad del Rosario em Bogotá, Colômbia. Este evento promoveu o intercâmbio de informações entre universidades da Europa e América Latina sobre experiências de aplicação da metodologia de ensino PBL – Problem Based Learning.

Na conferência, dentre diversos aspectos, foram abordados: a interação com atores externos a partir de projetos acadêmicos, o trabalho interdisciplinar necessário para resolver os problemas do entorno, a aplicação da teoria a problemas reais e o papel mais ativo dos alunos no desenvolvimento de projetos institucionais direcionados às políticas públicas.

Durante o evento a Arq. Camila Poeta Mangrich (COPLAN/DPAE) apresentou o artigo intitulado ‘Finding the relations of human and nature dynamics through collaborative data and integrative process’ o qual foi elaborado em parceria com a Eng. Carolina Cannella Peña (COPLAN/DPAE) e o Prof. José Ripper Kós (POSARQ/CTC).

O estudo apresentado no artigo objetivou mapear as relações entre as dinâmicas naturais (cursos d´água) e humanas (fluxos de circulação e locais de permanência) através da análise de informações coletadas a partir de dois diferentes métodos de coleta de dados digitais referente à circulação de pessoas no Campus: access point e pesquisa online, dados estes que foram obtidos através de um processo colaborativo envolvendo setores técnicos e acadêmicos da Universidade.

Acesse nossa página de produções acadêmicas para conhecer este artigo e demais publicações elaboradas pelos Técnicos de nosso Departamento.

Apresentação Pública | Infraestrutura Cicloviária no Campus – Projeto Rotas Acessíveis Trecho 02

10/10/2018 16:34

Ocorre na próxima semana, terça-feira 16/10/2018, a partir de 18:30 no auditório do Centro de Filosofias e Humanas – CFH no Campus Trindade da UFSC a apresentação pública do Anteprojeto referente à nova infraestrutura de circulação de bicicletas no Campus, vinculada às soluções propostas no Trecho 02 do Projeto Rotas Acessíveis.

O projeto, desenvolvido pelo Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia – DPAE envolverá a implementação de uma primeira infraestrutura dedicada à circulação de ciclistas dentro do Campus Trindade, no trecho da R. Roberto Sampaio Gonzaga entre o acesso ao Campus pela R. Lauro Linhares e a Praça da Cidadania.

A inclusão de trecho para circulação de bicicletas no projeto Rotas Acessíveis é fruto dos resultados do estudo intitulado “Rede Cicloviária da UFSC – Campus Trindade – Considerações Técnicas e Diretrizes Estratégicas” no qual se diagnosticou, contando com a participação de 803 respondentes da Comunidade Universitária na pesquisa ‘Por onde andas de bike na UFSC?’, como a bicicleta está inserida no Campus, quem a utiliza, trajetos percorridos, dificuldades enfrentadas e estrutura do Campus para a utilização do modal, neste estudo também foram definidas diretrizes técnicas para implantação de um sistema cicloviário dentro do Campus Sede da Universidade Federal de Santa Catarina em Florianópolis.

A apresentação pública do projeto à comunidade universitária será realizada pela coordenadora técnica do estudo de implantação de um sistema cicloviário no Campus, realizado em 2017, Engª Carolina Cannella Peña, pela Arqª Camila Poeta Mangrich responsável pelas definições de planejamento do Projeto Rotas Acessíveis e pelo responsável pela elaboração dos projetos executivos Arqº Igor Tadeu Lombardi.

Seminário Campus Inteligente

04/06/2018 15:56

Convidamos toda a Comunidade Universitária para participar do Seminário Campus Inteligente: Infraestrutura e Planejamento Urbano a ser realizado no Auditório da Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC no dia 14 de junho de 2018.
Organizado pelo DPAE, o evento tem como objetivo discutir o gerenciamento de infraestruturas e sua relação com o Planejamento Urbano. Contará com a participação de Instituições Públicas, Empresas de Tecnologia e Pesquisadores proporcionando aos participantes o conhecimento de tecnologias recentes aplicadas e trazendo como pauta soluções que poderão ser aplicadas aos Campi da UFSC.
As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas em http://inscricoes.ufsc.br/campus-inteligente
Confira a programação, saiba mais sobre os palestrantes e acompanhe o evento em https://www.facebook.com/dpae.ufsc/

Cadastro de estudos e propostas

06/02/2018 12:10

Estamos cadastrando Propostas, Estudos e Projetos relacionados ao Campus Trindade! Pode ser TCC, monografia, dissertação, tese ou artigo que tenha como foco a qualificação do espaço físico do campus Sede da UFSC< em Florianópolis/SC, tanto dos espaços urbanos quanto das edificações.

QUER PARTICIPAR? Envie um resumo ou link do seu trabalho para dpae@contato.ufsc.br . As propostas serão cadastradas em banco de dados interno e poderão servir como ponto de partida para futuros projetos a serem executados na UFSC!

 

ESCLARECIMENTO

24/01/2018 09:27

O DPAE esclarece que não estava previsto no projeto das Rotas Acessíveis a supressão de vegetação, especialmente das árvores que compunham o caminho mais agradável do Campus Trindade. Comprometemo-nos a estudar as causas da queda e propor o replantio com espécies nativas, que não coloquem os usuários em risco nem danifiquem a pavimentação.

Para mais informações sobre o projeto das Rotas Acessíveis, contate-nos.

Para informações sobre a obra e o trabalho de retirada das árvores caídas, contatar a SEOMA.

Horário de verão na UFSC

14/12/2017 12:59

Conforme disposto na Portaria Normativa 104/2017/GR, no período de 12/12/2017 a 16/02/2018 o Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia – DPAE terá seu expediente de atendimento externo pela manhã, das 07:30 às 13:30. Essa medida, válida para toda a UFSC, visa a economia de energia.

Licitação da 1ª etapa do prédio para a Medicina Araranguá

01/12/2017 11:29

Aberto o processo licitatório para Contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), para fornecimento de material e mão de obra destinados à execução da estrutura em concreto pré-moldado do prédio do Centro de Tecnologia da Saúde – CTS03, do Campus Araranguá da Universidade Federal de Santa Catarina (área = 6.400,00 m2).

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 18/12/2017
HORÁRIO 09:00 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Licitação do novo acesso do Colégio de Aplicação

29/11/2017 12:53

Aberto o processo licitatório para Contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), para fornecimento de material e mão de obra destinados à construção do novo acesso para o Colégio de Aplicação (CA) da Universidade Federal de Santa Catarina (área = 18,84 m2).

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 18/12/2017
HORÁRIO 08:15 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Licitação reforma ECV/CTC

28/11/2017 10:39

Aberto o processo licitatório para Contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), para fornecimento de material e mão de obra destinados à reforma do segundo pavimento do Bloco T da Engenharia Civil – CTC28, do Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina.

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 18/12/2017
HORÁRIO 11:00 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Reforma coberturas

03/11/2017 14:03

Aberto o processo licitatório para Contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), para fornecimento de material e mão de obra destinados a reformas em telhados e calhas a serem executadas nos edifícios CTC-02, CSE-02 e CCS-03 (área = 724,00 m²) da Universidade Federal de Santa Catarina.

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 27/11/2017
HORÁRIO 14:15 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Obra reforma LACIPA

01/11/2017 11:13

Aberto o processo licitatório para Contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), para fornecimento de material e mão de obra destinados à obra de reforma da área de vivência do Centro de Educação Profissionalizante (CEDUP) para instalação do Laboratório de Clínica e Imagem de Pequenos Animais (LACIPA) (área = 270,00 m²), situado no Campus Curitibanos da Universidade Federal de Santa Catarina.

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 23/11/2017
HORÁRIO 14:15 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Licitação Rota Acessível

30/10/2017 17:23

Aberto o processo licitatório para Contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), para construção de uma rota acessível entre a Biblioteca Universitária-BU e o Restaurante Universitário-RU, em Florianópolis/SC (área = 3.248,94 m2).

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 21/11/2017
HORÁRIO 09:00 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Conclusão obra Biotério Central

26/10/2017 14:10

 

Aberto o processo licitatório para Contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), para fornecimento de material e mão de obra destinados à conclusão de obra do Biotério Central (área = 1.260,00 m² ) da Universidade Federal de Santa Catarina.

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 20/11/2017
HORÁRIO 08:30 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Questionário sobre acessibilidade no RU

16/10/2017 14:00

Aberto questionário sobre acessibilidade no RU para pessoas com deficiência visual

O DPAE/SEOMA e a CAE/SAAD estão realizando pesquisa para o planejamento de instalação de piso podotátil no Restaurante Universitário (RU) do Campus Trindade. Por meio de um questionário, os usuários do local que possuem deficiência visual podem explicitar suas impressões acerca da locomoção no espaço, o que servirá de auxílio na elaboração de um projeto mais adequado às necessidades de quem frequenta o ambiente.

O questionário pode ser respondido até o fim de novembro e deve ser encaminhado para o e-mail acessibilidade@contato.ufsc.br .

Para acessar o questionário, clique aqui.

#paracegover : Imagem com piso tátil em primeiro plano e fundo desfocado, escrito em branco Acessibilidade no RU e Questionário e com o logotipo do DPAE.

DPAE desenvolve projeto piloto das Rotas Acessíveis

25/09/2017 13:57

A equipe do DPAE desenvolveu no ano de 2017 o projeto piloto para Rotas Acessíveis no Campus Trindade. Este projeto visa melhorar as condições de acessibilidade física no principal Campus de nossa Universidade, e o estabelecimento de diretrizes que serão replicadas nos demais Campi e unidades da UFSC.

Para uma rota ser acessível, não basta apenas melhorar a qualidade da pavimentação, é preciso investir em sinalização, drenagem, comunicação visual, espaços de descanso, iluminação adequada, dentre outros fatores.

Trata-se de mais um passo que nosso Departamento está tomando para garantia do acesso físico de toda a comunidade universitária – alunos, técnicos, professores, funcionários terceirizados e demais usuários da UFSC.

Quais os objetivos deste projeto piloto?

  • Criar um programa de adequação de passeios externos que possa ser implantado em etapas;
  • Garantir a acessibilidade dos usuários da UFSC a todas as edificações do Campus;
  • Adequar os espaços físicos externos do Campus Sede da UFSC às normas de acessibilidade e segurança vigentes, através da construção ou reforma de passeios para pedestres;
  • Iluminar e sinalizar as principais rotas de pedestres no Campus Sede, segundo estudo de fluxos a ser realizado.

Quais são os princípios e diretrizes gerais que caracterizam uma rota acessível?

Acessibilidade Universal: A calçada deve ser acessível a pessoas com diferentes características físicas e sensoriais: desde pessoas com restrição de mobilidade, como usuários de cadeira de rodas e idosos, até pessoas com necessidades especiais passageiras, como um usuário ocasional de muletas ou uma mulher grávida.

Orientação Espacial: Assim como os motoristas de veículos automotores, os pedestres e ciclistas também necessitam de informações claras para saber como se comportar e se localizar no ambiente urbano.

Segurança Permanente: Durante alguns períodos, as calçadas são menos utilizadas, que se tornam inseguras por falta de vigília – não da polícia, mas dos próprios pedestres. Adotar estratégias para influenciar positivamente na segurança dos pedestres pode tornar as calçadas mais vivas.

Espaços de Permanência: Ao percorrer espaços das cidades, um dos aspectos mais comuns é que a disponibilidade de assentos não é suficiente. Para que isso não siga ocorrendo, deve-se aumentar a quantidade de mobiliário urbano nestes espaços públicos. Os espaços públicos, entendidos como locais de lazer e de encontro devem contar com um mobiliário urbano que convide e fomente a interação entre as pessoas.

Harmonização com o clima: As condições climáticas nem sempre são as melhores para se realizar atividades ao ar livre, por isso, os lugares públicos devem incluir áreas adequadas para proteger-se do calor, da chuva e do vento, e evitar, assim, uma experiência sensorial incômoda.

Drenagem Eficiente: Um local alagado é impróprio para caminhada. Calçadas que acumulam água tornam-se inúteis e desconfortáveis para os pedestres.

Fácil manutenção: Regular, firme, estável e antiderrapante. Essas são as características básicas do pavimento da calçada.

Dimensões adequadas: Cativar as pessoas para que se locomovam a pé é uma forma de incentivar o exercício físico e diminuir os congestionamentos nas cidades. A calçada é composta por uma faixa livre, onde transitam os pedestres, uma faixa de serviço, onde está alocado o mobiliário urbano – como bancos e lixeiras – e uma faixa de transição, onde se dá o acesso às edificações. Ter conhecimento desses componentes facilita o dimensionamento adequado das calçadas.

Continuidade/Mobilidade: O caminho percorrido pelos pedestres envolve pontos de transição com elementos urbanísticos, como vias dedicadas aos veículos e pontos de parada do transporte coletivo. É importante que as conexões entre esses elementos sejam acessíveis e seguras.

Qual o primeiro passo?

Primeiramente, será realizada a requalificação das calçadas que conectam as duas principais edificações do Campus: Biblioteca Universitária e Restaurante Universitário. Ao longo do trajeto será substituída toda a pavimentação, padronizando-a. As calçadas serão ampliadas e haverá sinalização de rota compartilhada para ciclistas e pedestres. O bicicletário do RU e da BU também serão ampliados, assim como será executado um novo sistema de drenagem, evitando poças d’água nos dias chuvosos. A iluminação, que atualmente encontra-se ineficiente, será substituída por LED, na altura do pedestre. Também será criada faixa elevada para pedestres e sinalização vertical. Bancos e espaços de estar serão dispostos em todo o percurso, tornando-o mais agradável e utilizável por toda a comunidade UFSC.

A segunda etapa dará continuidade da padronização das calçadas, partindo da BU e seguindo em direção ao ponto de ônibus, atravessando a rua e continuando pelo lado esquerdo da Rua Roberto Sampaio Gonzaga, até chegar à rótula de acesso ao Campus.

Para mais informações sobre o projeto, veja a apresentação completa, clicando aqui!

Qualquer dúvida, escreva para dpae@contato.ufsc.br

Reestruturação do Sistema Elétrico do Campus Trindade

11/09/2017 16:11

Reestruturação do Sistema Elétrico do Campus Trindade

O DPAE está envolvido ativamente na reestruturação do sistema elétrico de média tensão do Campus Trindade. Buscando soluções no curto/médio prazo, várias intervenções estão em andamento, para melhoria da rede.

O Campus Reitor João David Ferreira Lima conta com 56 anos de existência. Ao longo desse período, a Universidade cresceu: novos cursos e novas edificações foram incorporadas. Todavia, muitas vezes a infraestrutura elétrica não acompanhou o ritmo dos investimentos em ampliação de edificações, por falta de recursos financeiros e humanos.

Em busca da garantia de segurança e continuidade do fornecimento de energia elétrica no Campus Trindade, algumas providências estão em andamento desde 2015, voltadas à rede de média tensão (13,8kV).

Dentre as ações de maior impacto para melhoria da rede, destacam-se:

  • Nova entrada de energia elétrica via Pantanal (CDS): A obra foi finalizada no primeiro semestre de 2017 e conta com 3,1MVA de potência instalada.
  • Ampliação de Entrada de Energia via Trindade (DAE): Com custo estimado de 880 mil reais, esta nova entrada contará com 3,5MVA de potência instalada, buscando desafogar o sistema da Cidade Universitária. A previsão é que a obra seja concluída em 2018.
  • Reforma Entrada “Cidade Universitária”: A principal entrada de energia do Campus Trindade terá melhores condições de funcionamento com as novas entradas de energia em média tensão já mencionadas. Contudo, sua reforma ainda é necessária: com potência instalada de 15,3 MVA (já se desconsiderado as cargas redistribuídas para outras unidades consumidoras), a intervenção encontra-se em fase de planejamento (viabilidade técnica).

Para saber mais, entre em contato conosco: dpae@contato.ufsc.br .

 

Preciso de um prédio! E depois?

30/08/2017 17:11

O projeto está pronto! E agora?

Após passar por todas as etapas, da idealização à finalização do projeto, com as devidas aprovações, deve ser realizada a montagem da pasta do projeto. Nesta pasta irão os documentos técnicos e administrativos  necessários para se compor e definir a abertura do processo licitatório para contratação de empresa técnica especializada para construção ou reforma da edificação. É nesta etapa que se motiva o processo licitatório, o qual se baseia na Lei Federal nº 8.666/1993 (Lei de Licitações e Contratos), que visa garantir a contratação mais vantajosa para o poder público, seja de serviços, obras ou produtos.
Tudo que é adquirido pelo setor público deve passar pelo processo licitatório, nos mesmos moldes desta lei, de forma a garantir transparência, baseado nos princípios da legalidade, impessoalidade, isonomia, moralidade, eficiência e economicidade.
Na documentação da Licitação, é imprescindível que o objeto da licitação (obra/reforma) esteja bem especificado, o memorial das especialidades precisa estar bem definido e o edital também deve ser claro e específico.
Todas as etapas buscam a garantia de um certame claro, legal e que promova a concorrência, para que se tenha um resultado vantajoso para a coletividade, que é a melhor qualidade pelo menor preço.

Para entender melhor esta etapa, confira neste infográfico o conjunto de ações envolvidas no processo licitatório da UFSC, após a finalização dos projetos.

Para verificar as obras que estão em andamento, frutos de projetos elaborados pelo DPAE, consultar o site do DFO/SEOMA.

Mas a participação do DPAE na realização do sonho de uma nova edificação não termina aqui: durante a obra ainda haverá acompanhamento e consulta técnica sobre os projetos, assessoria para aditivos de materiais e serviços, recebimento e arquivamento dos projetos as-built (ou “como construídos”, elaborados pela empresa construtora). Após 5 anos de uso da edificação, será realizada a Avaliação Pós -Ocupação da mesma, para definir melhorias necessárias, quais as necessidades recorrentes de manutenção, possíveis mudanças de uso, melhoria na eficiência energética, satisfação dos usuários, dentre outros fatores.

Preciso de um prédio! Qual será o produto?

14/08/2017 14:09

Afinal, o que é esse tal de projeto? Quais são os produtos que serão gerados a partir da minha solicitação de projeto de nova edificação?

Segundo a NBR 13531/1995 da ABNT: a elaboração de projeto de edificação consiste na “Determinação e representação prévias dos atributos funcionais, formais e técnicos de elementos da edificação a construir, a pré-fabricar, a montar, a ampliar, a reduzir, a modificar ou a recuperar, abrangendo os ambientes exteriores e interiores e os projetos de elementos da edificação e das instalações prediais”.

Após o recebimento do Caderno de Solicitações preenchido e da emissão da Viabilidade técnica, é marcada uma reunião inicial com o solicitante e o arquiteto designado, dando início ao processo de elaboração do projeto em si. A partir dos dados contidos nesses dois documentos, da interação com o solicitante e os responsáveis pelos diferentes ambientes da futura edificação e da consulta às normas pertinentes, o(a) arquiteto(a) elabora o Programa de Necessidades da edificação, reunindo assim toda informação técnica e características funcionais e espaciais necessárias para a adequada concepção da nova edificação.

Baseado no Programa de Necessidades é desenvolvido então o Estudo Preliminar Arquitetônico, representação gráfica e expositiva apresentando a configuração espacial e volumétrica da proposta arquitetônica inicial e dos elementos construtivos. Tanto esta como a etapa anterior do Programa de Necessidades é então submetida individualmente ao solicitante para sua avaliação e aprovação, possibilitando assim a continuação do processo projetual.

A proposta arquitetônica é então aprofundada e dá-se início à elaboração dos projetos complementares (instalações prediais, sistema de proteção contra incêndio, etc.). Assim que o desenvolvimento dos projetos atinge um grau de definição avançado é possível a confecção do Projeto Legal, uma versão intermediária do projeto que é submetida aos órgãos técnicos pertinentes em formato específico para demonstrar o atendimento a todas as exigências legais aplicáveis para a edificação em questão.

Após a aprovação dos órgãos competentes, e/ou alterações do projeto a partir das pendências apontadas por eles, começa a etapa dos Projetos básicos de arquitetura e complementares, onde são produzidas todas as representações gráficas (plantas, cortes, elevações, detalhes) e textuais (memorial descritivo, de cálculo, planilha de quantitativos) necessárias à total compreensão dos serviços a serem executados em obra para se atingir a perfeita execução da edificação e suas instalações prediais.

Com a finalização dos produtos dos Projetos básicos inicia-se a elaboração do Orçamento analítico e do cronograma físico-financeiro da obra. Através da consulta de custos unitários de tabelas referenciais reconhecidos (ex.: Sinapi), elaboração de composições próprias e da definição da taxa de BDI são produzidas planilhas com estimativas detalhadas dos custos e prazos previstos para a completa execução da obra.

Somente após a finalização dos Projetos básicos e do Orçamento analítico é possível montar o processo licitatório que resultará na contratação de uma empresa capacitada para a execução da edificação solicitada, assim que houver o aporte financeiro para tal.

Para entender melhor esta etapa, confira neste infográfico o fluxo do processo projetual, pelo qual passa toda nova edificação para a UFSC. O infográfico foi elaborado na forma de fluxo para transparecer a reação em cadeia que qualquer alteração de decisão posterior ocasiona no processo projetual, acarretando em prejuízo de recursos e em atrasos na materialização da edificação.

 

Por onde andas de bike na UFSC?

31/07/2017 17:43

Se você utiliza a bicicleta para seus deslocamentos diários, ou se gostaria de utilizar, responda nosso questionário e participe da Consulta Pública sobre Implantação de Sistema Cicloviário na UFSC.

Dando continuidade aos estudos do Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia – DPAE sobre bicicletas no Campus Trindade nos quais já se diagnosticaram os principais pontos de acesso e destinos de ciclistas no Campus e as necessidades dos usuários em relação aos bicicletários, a Coordenadoria de Planejamento do Espaço Físico – COPLAN/ DPAE elabora agora um Plano para Implantação de um Sistema Cicloviário no Campus Trindade.

Neste momento a COPLAN quer saber sua opinião sobre as principais variáveis associadas à implantação de uma rede cicloviária no Campus Trindade, com destaque para a identificação de quais fatores influenciam você a utilizar o modal, quais esforços para a cicloinclusão você entende serem prioritários na Universidade e, de forma específica para os ciclistas, quais caminhos você mais utiliza hoje.

Atenção! Uma das questões envolve desenhar seu trajeto, se puder responder em notebook ou desktop melhor para a pesquisa, melhor para a UFSC!!!

Acesse o questionário e contribua!

Preciso de um prédio! Ele é viável?

19/07/2017 14:48

Afinal o que significa viabilidade? Segundo o dicionário Michaelis, viabilidade é “1. Condição ou característica do que é viável” e “2. O que pode apresentar bom resultado“. Então podemos entender que a análise de uma viabilidade nada mais é do que a análise de como algo pode ser exequível, pode alcançar bons resultados, pode ter êxito.

Após a conclusão da etapa de preenchimento do Caderno de Solicitação, a segunda etapa do processo de concepção de um prédio trata do Estudo de Viabilidade. Nesta etapa, são feitas análises e avaliações do ponto de vista técnico, legal e econômico que elegem a intervenção que melhor responda às necessidades da Edificação a ser projetada envolvendo a participação de equipe multidisciplinar de profissionais, como Arquitetos e Urbanistas, Engenheiros Civis, Engenheiros Sanitaristas e Ambientais e Engenheiros Eletricistas.

O Estudo de Viabilidade tem como principal objetivo nortear, de forma ordenada, a ocupação dos Campi da Universidade, através da definição de diretrizes para a concepção dos projetos e da verificação da compatibilidade da demanda com os objetivos da Instituição, podendo ainda ser utilizada como ferramenta para captação de recursos e como suporte à Administração na tomada de decisão.

No estudo são analisados itens como: compatibilidade das atividades e ambientes requeridos com o local de implantação; altura da edificação, afastamentos e recuos permitidos no local; circulação e acessos possíveis; limitantes do terreno; restrições ambientais e infraestrutura disponível.

Ao longo do estudo poderão ser também necessárias investigações e levantamentos complementares, como realização de sondagens, levantamentos topográficos e estudos ambientais, os quais não podem ser realizados pela própria Universidade (por falta de equipamentos e recursos humanos específicos), implicando em contratações de terceiros e envolvendo custos.

Na análise da viabilidade da intervenção ainda são feitas as estimativas de custos das próximas etapas projetuais e de obras, através do aprofundamento dos valores apresentados previamente no Caderno de Solicitação, onde neste momento já são considerados custos de urbanização e de infraestruturas necessárias para implantação da edificação. Entretanto, cabe destacar que os custos finais da intervenção só serão conhecidos após as etapas de detalhamento projetual. Até a licitação da obra estes valores sofrerão reajustes em vista que os custos estão diretamente relacionados com os valores praticados no mercado pelas empresas de construção, os quais variam de forma constante.

Apenas com respostas positivas obtidas nesta fase é que deve o projeto avançar na realização de estudos mais detalhados a fim de definir com clareza os parâmetros de execução da obra. Isto significa dizer que quanto maiores os detalhamentos dentro do estudo de viabilidade, menores serão o tempo e os custos investidos nas etapas seguintes.

Na UFSC, as viabilidades podem ser do tipo:

  • Viabilidade Concedida (onde todas as variáveis analisadas estão em conformidade nos aspectos técnico, legal e econômico, seguindo a demanda para o desenvolvimento do projeto);
  • Viabilidade Concedida com Ressalvas (neste caso existem questões de ordens diversas para serem resolvidas antes do desenvolvimento dos projetos como falta de recursos e questões políticas) ou
  • Viabilidade não Concedida (caso em que há um fator determinante para que o projeto não seja desenvolvido, por exemplo, limitantes ambientais e legislativas).

Para entender melhor esta etapa, confira neste infográfico o conjunto de ações envolvidas na elaboração de um Estudo de Viabilidade para uma nova edificação na UFSC.

VOCÊ CONHECE OS SETORES DA UFSC?

10/07/2017 18:00

Imersa no meio urbano de Florianópolis, a Universidade Federal de Santa Catarina possui hoje em seu município sede um total de 436.140,64 m² edificados e localizar um ambiente dentro deste complexo é desafio constante para quem por nela passa.

Desde que foi fundado, o Campus Trindade foi setorizado de diferentes formas, mas poucos conhecem estes mapas. Se a UFSC fosse uma cidade, a Setorização equivaleria à divisão por bairros determinados historicamente pela sua ocupação e seu desenho. Ou seja, setores e bairros criam uma identidade a um delimitado espaço, são únicos e raramente se repetem ou se sobrepõem, um termina exatamente onde outro começa.

Este questionário intenta obter subsídios para a Coordenadoria de Planejamento do Espaço Físico do DPAE propor uma nova Setorização do Campus Trindade e criar uma padronização que possa ser aplicada aos demais campi.

Acesse ao questionário e dê sua contribuição.

Preciso de um prédio! Por onde começar?

28/06/2017 16:38

Entenda o que é preciso definir para que um edifício seja construído na UFSC.

Infográfico 2

Quando se considera a construção de um novo edifício em nossa Universidade, estamos falando sobre o uso de dinheiro público a ser aplicado na educação ou em ciência, tecnologia e inovação.

Por isso, planejar uma nova edificação pública é diferente de fazer uma construção privada, onde é possível fazer a compra de um imóvel novo e optar-se por gastar mais para que os ambientes fiquem como o comprador espera. Quando uma edificação é prevista na UFSC, é preciso preocupar-se se ela atenderá às reais necessidades dos seus futuros usuários. Fazer uma nova edificação que após a inauguração terá de passar por reforma para abrigar as atividades é inaceitável pelo princípio da economicidade*. Além disto, uma edificação pode permanecer em uso por um longo período de tempo, tendo um ciclo de vida que pode durar muitas décadas.

Por onde começar então? É necessário saber se os recursos financeiros para a construção da edificação pretendida estão disponíveis, mas isso não é tudo: a própria unidade que pretende ter uma nova edificação precisa discutir o que “deseja” para esse novo prédio, pois cada atividade tem suas particularidades. Uma escola e um hospital possuem ambientes muito diferentes, e mesmo cada escola e cada hospital tem maneiras diferentes de funcionar. É esse funcionamento que precisa ser debatido pelos usuários, para saber qual maneira, entre as possíveis, atende melhor à UFSC para que cumpra a sua missão, vinculada ao ensino, pesquisa e/ou extensão.

Dentro da unidade é necessário ter servidores dispostos a embarcar na empreitada de sonhar a nova edificação, afinal aquele que executa suas atividades na UFSC tem muito a contribuir sobre as suas próprias atividades. Dentre estes ainda é necessário que se eleja um servidor que será o responsável pela edificação: ele será consultado com maior frequência e motivará os demais servidores da unidade envolvidos no processo, devendo ser proativo, conciliador e tomador das decisões que envolverão a futura edificação. Caso a unidade já possua comissão de espaço físico, ela também será envolvida no processo. Se sua unidade não possui esta comissão, talvez a necessidade de uma nova edificação seja um bom momento para criarem-na.

Então os interessados pela nova edificação na unidade precisam conversar e decidir quais os ambientes gostariam ou não que fossem contemplados nessa nova edificação. Definidos os ambientes é chegado o momento em que é designada uma pessoa responsável para cada ambiente. O responsável deve ser um servidor que tenha interesse em pesquisar, conhecer e decidir como o ambiente será. Para cada ambiente é necessário, então, mapear uma série de aspectos relevantes para seu funcionamento: quais serão seus usuários (alunos, comunidade externa, professores, técnicos administrativos, etc.), suas dimensões ideais, mobiliário e equipamentos necessários, infraestrutura indispensável para seu uso (água, energia, lógica dentre outros), quais resíduos serão gerados e qual o modo de acesso de cargas (quando for o caso).

Toda essa pesquisa precisa ficar acessível para os projetistas, devendo então ser anotada no Caderno de Solicitações: serão gerados as descrições dos ambientes com o mapeamento de suas necessidades.

Todos os espaços que terão atividades precisam ter um representante para dialogar com os profissionais do DPAE na fase de projetação, onde as necessidades mais peculiares serão debatidas e o que foi pesquisado pelo responsável pelo ambiente será aprimorado a partir dos conhecimentos técnicos dos profissionais. Ambientes como escadas, halls de entrada, circulações, sanitários e outros devem atender a legislações específicas e não precisam ser solicitados, pois serão inclusos pelos profissionais do DPAE. Por outro lado, todos esses ambientes possuem metragem, e essa metragem tem um custo na construção, por isso o Caderno de Solicitações, ao ser preenchido, faz uma prévia da área que estes ambientes ocuparão, que gira em torno de 45% da área total da edificação para atender às normativas e ser aprovado nos órgãos competentes.

Quando o responsável pela edificação tiver as fichas de descrição de ambientes de todos os ambientes preenchidas, poderá finalizar o Caderno de Solicitações produzindo a ficha com o quadro resumo dos ambientes da edificação. Todo esse material torna a edificação desejada algo conhecido, discutido e pesquisado pela unidade e pela comissão de espaço físico. Com o quadro resumo preenchido será possível ter o custo estimado da nova edificação.

É o momento de verificar se este custo estimado está de acordo com a previsão de recursos inicial. Se o custo estimado for maior que o recurso disponível, será necessário rever as prioridades da unidade e redefinir o número de ambientes ou ainda tentar a possibilidade de aumento de recurso disponível.

Estando o custo estimado dentro da previsão de recursos inicial, o responsável pela edificação, o diretor da unidade e o presidente da comissão de espaço físico (quando houver) assinam o Caderno de Solicitações dando ciência e aceite ao que está ali sendo solicitado.

O documento assinado é enviado via SPA pelo diretor da unidade para a SEOMA, que definirá junto à Administração Central a prioridade e a ordem de atendimento da demanda. No infográfico ao lado você pode ver as diferentes ações que a unidade precisa coordenar e planejar para que se tenha uma nova edificação.

Se você tem uma demanda por nova edificação e já cumpriu a série de etapas de planejamento dentro da sua unidade, os arquivos para preenchimento de Caderno de Solicitações estão disponíveis bem aqui.

Qualquer dúvida, escreva para dpae@contato.ufsc.br.

 

* Princípio da economicidade: é a minimização dos custos dos recursos utilizados na consecução de uma atividade, sem comprometimento dos padrões de qualidade (International Organization of Supreme Audit Institutions (Intosai). Field Standards in Government Auditing (ISSAI 300). Viena, 2004. Disponível em: http://rikisendurskodun.is/wp-content/uploads/2017/01/ISSAI_3000.pdf Acesso em: 22 jun. 2017.)

Implantação Rede Esgoto Campus Curitibanos – RDC ELETRÔNICO 002/2017

12/06/2017 18:49

Está aberto o processo licitatório para contratação de empresa, por meio do Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, para fornecimento de material e mão de obra destinados à implantação de rede de esgoto e instalação de estação de tratamento de esgoto (área = 42.000,00 m² ) no Campus Sede de Curitibanos  da Universidade Federal de Santa Catarina.

Os projetos foram elaborados pela equipe técnica do DPAE no ano de 2016.

 

  • CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Maior Desconto
  • FORMA: Eletrônica
  • MODO DE DISPUTA: Fechado
  • REGIME: Empreitada por Preço Global
SESSÃO PÚBLICA DO RDC ELETRÔNICO
DATA 27/06/2017
HORÁRIO 14:15 (horário de Brasília/DF)
CÓDIGO UASG 153163
ENDEREÇO ELETRÔNICO www.comprasgovernamentais.gov.br

Para mais informações visite o site.

Preciso de um prédio! E agora?

16/05/2017 13:27

Entenda o processo de construção de um edifício na UFSC, do desejo à realização.

Infográfico

 

Você sabia que 65% dos resíduos sólidos produzidos nas cidades são entulhos de construções? Estima-se que cada metro quadrado construído no Brasil gere cerca de 150 kg de resíduos¹!

Por isso, novas edificações não tem apenas o custo da construção em si, mas englobam também os custos de infraestrutura, mobiliário, pessoal, operação, conservação e manutenção, além dos custos ambientais de destinação dos resíduos produzidos em todo seu ciclo de vida, que pode durar de 50 a 100 anos.

Cada nova edificação na UFSC deve estar compatível com o PDI – Planejamento de Desenvolvimento Institucional, e com o Orçamento da Universidade, além de obter viabilidade nos órgãos competentes (Prefeitura, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, CASAN, CELESC, FLORAM, dentre outros).

É um processo longo e complexo que demanda envolvimento de grandes equipes que produzem o vasto material necessário para a realização desses desejos. No infográfico ao lado você pode ver um resumo do processo.

Por isso, antes de solicitar uma nova edificação, pergunte-se: ela é mesmo necessária? Ou poderia adaptar uma edificação existente e subutilizada para o uso pretendido? Ela ajudará a UFSC a cumprir sua missão? Ela é socialmente responsável? Há recursos disponíveis para sua construção? E para a infraestrutura necessária para seu funcionamento? Há previsão de contratação de pessoal para sua operação, conservação e manutenção? O prazo que disponho é exequível?

Considerando todas as etapas, desde o envio das informações mínimas até a inauguração da obra, estima-se que são necessários cerca de 4 anos.

Se sua demanda atende todos esses requisitos, veja como solicitar um projeto. O fluxograma interno (tramitações dentro do DPAE) pode ser verificado aqui.

Qualquer dúvida, escreva para dpae@contato.ufsc.br .

¹ (ABRELPE, 2012)

Salvar

  • Página 1 de 2
  • 1
  • 2